Como a Dança pode contribuir no combate à depressão

September 14, 2018

É muito comum hoje ouvir falar em depressão como o mal do século. E, de fato, por vários fatores sócio culturais, o número de pessoas que sofrem com esse e outros transtornos psíquicos é elevado. Precisamos tomar cuidado para não medicar todos os nossos sentimentos e podemos, ao menos, tentar nos prevenir deste estado psíquico de outras formas. Há uma grande oferta de práticas e exercícios como alternativas de cura ou prevenção contra a depressão. Somado a isso, é importante sempre o acompanhamento de um profissional da área de saúde e o apoio da família, amigos. 

A atmosfera e prática da dança pode oferecer benefícios para todo e qualquer estado emocional, inclusive à depressão. Existe uma diversidade de práticas e estilos de dança às quais você pode escolher uma em que mais se identifique. E o Ballet Clássico é uma das possibilidades! Antigamente só tinha acesso ao Ballet jovens que apresentavam condições físicas e intensa dedicação às exigências da disciplina e técnica. Hoje, já se reconhece o quanto é possível e interessante que qualquer pessoa tenha o prazer de dançar visto os benefícios que a dança proporciona não só fisicamente, mas principalmente no âmbito emocional. Toda arte é uma forma de expressar os sentimentos e a música clássica por ser instrumental (e ter uma frequência diferenciada), toca no espiritual e inconsciente do ser humano. Lá no nosso interior existem emoções que não encontramos formas de expressá-las e a música junto à dança clássica ajudam a externalizá-los.
O corpo em movimento é uma comunicação com o mundo. A harmonia dos movimentos com a música, promove um estado prazeroso e o bem-estar de comunicação do nosso interior com o exterior. O Ballet propõe uma ampla consciência corporal em que se reconhece tanto limites, quanto potenciais e coordenação dos movimentos, resultando assim um equilíbrio físico e mental. Há um trabalho de força, tônus, flexibilidade e coordenação motora. Tudo isso exige que o bailarino, ainda que iniciante, entre em contato não só o dinamismo de seu organismo e sentimentos, como também com o da sua autoimagem. Desta forma, a pessoa que pratica o Ballet Clássico, quebra certos preconceitos de si e acaba superando muitos dos conflitos com o próprio corpo.
A experiência de promover maior reconhecimento e apropriação do corpo como um todo, desencadeia a sensação de controle e, consequentemente, leveza. Podendo assim saltar, esticar, girar, com a impressão de que tudo pesa menos... Essas sensações fazem com que a pessoa se sinta dono de si, livre e consequentemente passe a se amar mais! A boa relação com a autoestima colabora para enfrentar as dificuldades e os conflitos da vida. A beleza do Ballet clássico, diferente do que se pensa quando se assiste um bailarino leve lindo e solto, não está na rigidez que o tornou capaz, mas na FORÇA que ele descobriu internamente e que se revelou nos movimentos espontaneamente! Qualquer pessoa pode ter a oportunidade de experimentar essa sensação e levá-la consigo ao longo da vida. 🙂 
(por Deborah Lei, Psicóloga e Bailarina)

 

 

Please reload

Posts Em Destaque

Você conhece os benefícios do Ballet Clássico na infância?

July 23, 2019

1/3
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload